Fatores Climáticos

Tempo e clima


Tempo é o estado momentâneo da atmosfera. É local e acontece a curto prazo. Se chover na sua cidade na próxima quinta-feira, isto é o tempo.
Clima
é a média de uma sucessão de tempos. Acontece a longo prazo e não tem relação com uma localidade pequena.
O clima de uma área é a média das condições de tempo em uma região ao longo de um grande período (no mínimo 30 anos). Se onde você vive há ventos frios e garoa, isso faz parte do clima desta região. Os invernos têm sido frios desde quando se começou a registrar o tempo, então geralmente sabemos o que esperar dele.

Na biosfera (local onde encontramos a vida humana) ocorrem diversos processos e estes estão relacionados a quantidade de terra, água e ar (esferas terrestres) que possuem. Por isso, é que temos paísagens (climas) tão diferentes.



1. Cite locais do globo terrestre que possuem uma menor ou nenhuma quantidade de algumas dessas esferas (elementos como água, ar ou solo).
R:

Os ecossistemas variam conforme a esfera dominante. Portanto, poderemos ter ambientes muito úmicos ou secos, dependendo da quantidade de água naquele ambiente.



2. No desenho, descreva os elementos que podem influenciar na dinâmica climática do local (quando se alteram - aumentam ou diminuem - mudam o lugar).
R:

Fatores de Influência no Clima:

Latitude: conforme a latitude (que é a distância horizontal - tanto pro norte, quanto pro sul - da linha do Equador - media em graus) varia a intensidade dos raios solares. Observe:



3. Faça uma relação entre a Latitude e a Temperatura (Ex.: quanto aumenta a latitude... a temperatura... ). Em seguida, de exemplos disso utilizando o esquema acima (Ex.: se eu estiver no polo, a temperatura....).
R:

Altitude: conforme aumenta a altitude (distância vertical do nível do mar - medida em metros) diminui a quantidade de ar presente na atmosfera, diminuindo, também, a capacidade de absorver calor. Observe:



4. Compare o fator Altitude com o fator Latitude e tente explicar as condições climáticas (se será muito quente, quente, frio ou muito frio  e  se será úmido ou seco) nas seguintes situações abaixo:
a) na linha do Equador (0º) e ao nível do mar; R:
b) na linha do Equador (0º) e a 4000m;
R:
c) próximo do polo (80º) e ao nível do mar;
R:
d)
próximo do polo (80º) e a 4000m; R:

Maritimidade
: áreas próximas a grandes massas líquidas (mares e oceanos) possuem mais probabilidades de ocorrem chuvas do que áreas muito distantes. Além disso, quanto mais próxima a área está do oceano, menor será a variação diária de temperatura (Ex.: em cidades litorâneas, a diferença de temperatura entre o dia e a noite é menor que nas áreas no interior do continente). Observe:



5.  Descreva as características climáticas (temperatura e umidade) da Planície Costeira e da Depressão Sertaneja, explicando os motivos (fatores climáticos) que contribuem para isso.
R:

Massas de AR: são porções da atmosfera que se deslocam pela superfície terrestre e que levam consigo as características de temperatura e umidade das suas áreas de origem, modificando o tempo onde atingem.



6. Conforme a origem das massa de ar, elas podem ter características diferentes. Classifique como seriam as massas (em quente ou fria e úmida ou seca) originadas nas seguentes áreas hipotéticas:
a) perto da linha Equador, no meio de um contintente; R:
b) perto do polo, no meio do oceano;
R:
c) perto da linha do Equador, no meio do oceano; R:
d) perto do polo,no meio de um continente; R:


As zonas climáticas brasileiras são ifluenciadas pela atuação de cinco massas de ar:




1. Massa Equatorial Contineltal (mEc)
É uma massa quente e instável originada na Amazônia Ocidental, que atua sobre todas as regiões do país. Apesar de continental é uma massa úmida, em razão da presença de rios caudalosos e da intensa transpiração da massa vegetal da Amazônia, região em que provoca chuvas abundantes e quase diárias, principalmente no verão e no outono. No verão, avança para o interior do país provocando as “chuvas de verão”.
 

2. Massa Equatorial Atlântica (mEa)

É quente, úmida e originária do Atlântico Norte (próximo à Ilha de Açores). Atua nas regiões litorânes do Norte do Nordeste, principalmente no verão e na primavera, sendo também formadoras dos ventos alísios de nordeste.

 
3. Massa Tropical Atlântica (mTa)
Origina-se no Oceano Atlântico e atua  na faixa litorânea do Nordeste ao Sul do país. Quente e úmida, provoca as chuvas frontais de inverno na região Nordeste a partir do seu enconttro com a Massa Polar Atlântica e as chuvas de relevo nos litorais sul e sudeste, a partir do choque com a Serra do Mar. Também é formadora dos ventos alísios de sudeste.
 
4.  Massa Polar Atlântica (mPa)

Forma-se no Oceano Atlântico sul (próximo à Patagônia), sendo fria e seca e atuando subretudo no inverno no litoral nordestino (causa chuvas frontais), nos estados sulinos (causa queda de temperatura e geadas) e na Amazônia  Ocidental (causa  fenômeno da friagem, queda brusca na temperatura).

 
5. Massa Tropical Continental (mTc)
Originada na Depressão do Chaco, é quente e seca e atua basicamente em sua área de origem, causando longos períodos quentes e secos no sul da região Centro-oeste e no interior das regiões Sul e Sudeste.

7. Observe os mapas anteriores e descreva quais massas de ar influenciam no verão e no inverno as seguintes cidades: Vitória, Brasília e Porto Alegre. (responda observando as setas nos mapas)
R:


As massas de ar, conforme a umidade e temperatura, provocam chuvas por onde passam, em função das características do local: Observe:


Chuva 
Convectiva
Características: típica chuva de verão, com grande intensidade  e curta duração (é menos comum no inverno). 
Pode produzir ventos locais e muitos raios.  Ocorre pela formação de "corredores" verticais de ar, provocados pela elevação de massas de ar quente. 
  Como se forma: quando o sol aquece a terra, formam-se células convectivas. 
Estas células são imensas massas de ar aquecido na superfície da terra,  que iniciam uma subida em algum local. 
Esta subida tende a puxar para cima mais ar aquecido da superfície da terra. 
O ar aquecido que está subindo empurra para cima e para os lados o ar que está acima dele.  Acelera-se o processo como numa ampla e gigantesca chaminé.
 Por isto, estas nuvens tem um formato típico de cogumelo. 
São muito grandes, podendo ter dezenas de quilômetros de diâmetro,  e vários quilômetros de altura. 
  Podem ocorrer isoladas (com céu azul em volta),  o que é facilmente observado por pessoa que não esteja sob a imensa nuvem. 
  Quando o processo produz nuvens muito altas e de grande energia cinética, 
criam ambiente ideal para formação de granizo.
  Apresentam grande atividade elétrica interna,  com infinidades de raios e violentos ventos verticais e turbulências diversas. 
São um enorme perigo para aeronaves.
É uma nuvem muito sonora e relampagueante.
Chuva 
Frontal
Características: é uma chuva de menor intensidade, com pingos menores, e de longa duração.   Pode ocorrer por vários dias, 
apresentando pausas e chuviscos entre fases mais intensas.
  Na metade sudeste do continente, pode ocorrer em qualquer época do ano, mas tem maior duração nos meses frios, quando os fenômenos atmosféricos são menos intensos.
 Pode produzir ventos fortes e grande quantidade de raios. Ocorre em uma imensa área simultaneamente.
  Como se forma: ocorre pelo encontro de duas grandes massa de ar. 
Uma quente e úmida, estacionária ou vinda do quadrante norte,  outra fria, vinda do quadrante sul. 
A frente fria, mais densa, entra por baixo,  levando para cima a massa de ar quente. 
Quando esta massa de ar quente possui elevada umidade relativa,  a chuva é iminente. 
  Frentes frias ocorrem comumente a cada 6 a 8 dias,  e poderão ou não provocar chuva.
Chuva 
Orográfica
Características: ocorre quando uma nuvem encontra um alto obstáculo em seu caminho, como uma grande elevação do terreno, cadeia de morros, serra, etc.
  Como se forma: para a massa de ar transpor o obstáculo, é forçada a subir. 
Aí ocorre aquela velha história: ar que sobe é ar que se expande pela menor pressão atmosférica, e ar que se expande é ar que "dilui" calor.   Massa de ar que perde calor, perde junto a capacidade de conter umidade, o que gera nuvens e em segmento, chuva. 
Daí a grande incidência de nebulosidade e chuvas, muitas vezes torrenciais, 
nas altas encostas dos morros.
  Estas nuvens podem provocar tempestades elétricas perigosas, 
pela proximidade da terra com as nuvens, sobretudo quando ocorre juntamente com outro tipo de chuva (frontal, convectiva).

8. Pesquise no quadro acima:
a) Qual a época do ano mais propícia ao aparecimento de cada tipo de chuva?
R:
b) Qual a duração
de cada tipo de chuva?
R:
c) Que outros elementos da natureza é necessario para que ocorra
cada tipo de chuva?
R:

_________________________________________________________________________________________________________